Sino dos ventos

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Porque "casinha"?


People, quando digo algo sobre minha casa e a chamo de "casinha", alguém sempre me pergunta: porque você se refere a sua casa assim? Querem mesmo saber, estão preparadas? Então senta que lá vem história!

Cresci e sempre morei numa mesma casa. Ela é espaçosa, tem cômodos grandes, quintal e jardim. Está na família até hoje e gosto muito de ir lá.

Quando comprei meu segundo apartamento, as construtoras já estavam na fase dos "apertamentos" (sic) pequenos. Tive sorte ao encontrar um apartamento novo, relativamente grande (120m²) e bem ventilado.

Alguns anos mais tarde, bateu a vontade de voltar a morar numa casa, ter quintal, esse tipo de coisa. Eu só conseguia pensar nisso dia e noite: se um primata teve uma árvore, um neanderthal teve um caverna, um asteca teve um palacete, um medieval teve um castelo e um índio teve uma oca, eu queria ter uma casa!

Vendi o apartamento, comprei um terreno de 360m² para construir a tão sonhada casa e fui morar provisoriamente numa edícula de 35m². Morar não é propriamente a palavra que define os dois anos em que vivemos (eu e o filho Bruno) na edícula, com todas as nossas coisas encaixotadas e os móveis tomados por pilhas e mais pilhas de caixas. Para que tenham uma idéia, só conseguíamos nos sentar nas camas.

Pois bem, comecei a construir uma casa de 240m² com três pavimentos. Tudo caminhava bem, a casa já estava com a última laje colocada, pronta para o madeiramento do telhado, mas o dinheiro estava acabando. Então solicitei o saque do FGTS junto à Caixa Econômica. Isso foi o início do meu calvário: quinzenalmente ia à Caixa Econômica, eu levava todos os documentos (meus e da construção), enquanto a construtora levava a documentação dela, mas nada de liberar o FGTS. Após quase um ano com a obra parada e perdendo tempo com a Caixa Econômica, desisti do FGTS, apesar do gerente afirmar que os documentos (meus e da construção) estavam em ordem, porém a liberação era negada por um departamento interno, ao qual ele não tinha acesso. A construtora também afirmava que sua documentação estava em ordem. Mas havia algo errado, pois nada justificava a negativa da Caixa.

Eu estava decepcionada com várias coisas relacionadas à construção, mas principalmente por não saber o motivo da Caixa Econômica negar a liberação do FGTS. Mas decepção é apenas uma forma de Deus nos dizer que tem algo melhor para nós e Ele tem tudo devidamente planejado em nossas vidas. Só me lembrei disso algum tempo depois e por acaso, quando descobri que não consegui liberar o FGTS porque a construtora estava com várias dívidas trabalhistas na justiça. Hoje, apesar de ter perdido algum dinheiro com a construção parada, dou graças a Deus pois me livrei de um abacaxi daqueles (a construtora).

Coloquei a construção à venda, achando que seria fácil: casa grande, janelas amplas, espaço para uma futura piscina, todos os materiais incluindo os de acabamento e a pintura já definidos, um ótimo bairro, distante de ocupações irregulares, próximo a shopping, clubes e centro da cidade, escolas públicas e particulares, comércio diverso, etc.

Um ano se passou, já não aguentava morar naquela edícula apertada, quando uma amiga do trabalho me ofereceu um apartamento que estava fechado para eu morar. Claro que aceitei de imediato. Moramos lá por quase dois anos. Paralelamente tentava vender a obra e procurava uma casa pronta para comprar.

Como Deus tem tudo preparadinho prá nós, as coisas foram se encaixando e em setembro vendi a construção. A senhora que comprou mudou pouca coisa na casa, que ficou praticamente como eu havia planejado. Manteve até mesmo as cores que eu havia escolhido para as paredes. Vejam como ficou depois de pronta:
Em outubro comprei a casinha e utilizei o FGTS que foi liberado em 15 dias sem nenhum problema, pois tanto meus documentos quanto os da construtora e da casa estavam em ordem. Como é uma casa num condomínio novo, demorou para entregarem as chaves, pois antes foi preciso elaborar a convenção, registrar em cartório, eleger síndico e outras coisas do tipo. Peguei as chaves em março, fiz algumas reformas necessárias, tive problemas com prestadores de serviço, etc. e mudei em julho do ano passado. A casinha foi entregue com as paredes internas brancas e, por enquanto, continuam assim: branco hospital ... rsrsrs.

Casinha porque é pequenina: um sobrado de 80m², no térreo estão a sala em "L", o mini lavabo e a mini cozinha. No piso superior estão a mini suíte, dois mini dormitórios e um mini banheiro social. Mini porque, com exceção da sala, todos os cômodos são pequeninos. Nos fundos ficam a mini lavanderia, a churrasqueira e um mini quintal. Não é a casa dos meus sonhos, mas tem um ponto positivo: fica a 5 km do meu trabalho. Um pouco mais distante, supermercado e shopping. E os pontos negativos: como é uma área urbanizada  recentemente (era uma fazenda), existem muitos terrenos com mato alto e diversas construções em andamento, que trazem pó além do normal prá dentro de casa. O transporte público é deficiente e no comércio local tudo é mais caro do que em bairros já formados.

Desde então estou readquirindo alguns móveis (após tanta mudança alguns não resistiram), reaproveitando outros e decorando a casinha conforme sobra tempo. Tenho muitas idéias e diversos projetinhos na fila de espera. E para dificultar um pouco mais, não tenho maridex, nem Bob Pai ou Bob Filho. Lembram do desenho da Hanna Barbera? Adooorooo!!!
Enfim, somos apenas eu e o filho Bruno, que não faz nenhuma questão de por a mão na massa. Tudo que preciso fazer na casinha e requer um pouco de força, uso de furadeira, etc., me obriga a pagar um prestador de serviços, profissional que só é bom prá cobrar, porque o serviço quase sempre sai aquém do que se esperava. Ainda assim, sigo em frente, devagar e sempre.

Não postei nenhuma foto da casinha pois ainda não tem um cômodo sequer como eu quero. Postarei assim que as coisas forem se ajeitando por aqui. A você que leu a história e chegou até aqui, brigadú!!!!

Créditos:
1) Casinha lilás: imagem do Google (caso tenham a fonte, me informe para os devidos créditos);
2) Desenho Bob Pai, Bob Filho: http://www.osinvicioneiros.com.br/2011/10/os-10-personagens-mais-legais-dos.html

7 comentários:

  1. Sueli menina que luta
    ainda bem que eles não liberaram,sena essa construtora enfiava o dimdim no bolso e te deixava na mão.
    a casa è linda mesmo, mas essa outra casinha não tem espaço para um "puxadinho " não ???
    aqui 80m2 não è pouca coisa não,porque as casa custam muiiiiito caras.
    sendo só em duas pessoas ,acho que è um bom tamanho.


    bacione

    ResponderExcluir
  2. Edna, não corri o risco da construtora ficar com meu dimdim.
    O que poderia ter acontecido: eu ser indiciada como co-responsável pelas dívidas trabalhistas, pois alguns dos empregados trabalhavam na minha construção.
    Concordo que 80m² são suficientes para duas pessoas, mas para quem sempre viveu em casa grande, é difícil acostumar (mas não impossível).
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Sueli, penso como você; qdo algo não quer dar certo de jeito nenhum, sinto que Deus está me livrando de algo que ELE não quer pra minha vida. E sigo em frente por outro caminho. Sou divorciada e também tenho que pagar por qualquer uso de furadeira, o que SEMPRE atrasa o que quero fazer pois fico a depender da disponibilidade alheia que - não sei se vc sente assim - é sempre menos disponível quando se trata de uma mulher sozinha, como se o nosso dinheiro valesse menos. Aff. Mas tudo bem... tenho certeza de que sua "casinha" está se transformando num cantinho acolhedor. Também vivo num sobrado; não é mini, é até grande demais pra minha saúde, já que faço todo o serviço de casa sozinha, mas embora o bairro também não seja lá essas coisas, AMO morar aqui.
    Bjo&Carinho,
    Jussara

    ResponderExcluir
  4. Jussara, é triste mas algumas pessoas estão regredindo no tempo e nos tratam assim. Quer um conselho? Ignore e seja feliz!
    Tenha uma linda semana!
    bjs

    ResponderExcluir
  5. Sueli, gostei muito de ler sobre seu "calvário" e me identifiquei porque quero mudar do local de onde moro, comprar outro apartamento e penso nisso dia e noite. Fiquei super feliz da vida quando soube que meu apartamento estava vendido, mas ontem veio a triste notícia que a pessoa desistiu da compra. Foi uma grande decepção...mas me consolou ler o que você disse: "decepção é apenas uma forma de Deus nos dizer que tem algo melhor para nós e Ele tem tudo devidamente planejado em nossas vidas". AMÉM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Olá Val, desculpe não ter respondido antes, mas estou tão desanimada ultimamente que até o blog eu meio que abandonei. E quer saber o motivo do meu desânimo? Decepções e mais decepções com a vida num condomínio de casas. É lamentável mas as pessoas só pensam em cuidar da vida alheia, usam o jardim do vizinho para que seus cães façam suas necessidades ou para seus filhos jogarem bola, pelo simples fato de que não tem ninguém em casa.. Enfim, a "casinha" atualmente se tornou um "elefante branco" e está à venda. Mas continuo pensando da mesma forma: decepção é apenas uma forma de Deus nos dizer que tem algo melhor para nós e Ele tem tudo devidamente planejado em nossas vidas". Beijos!!

      Excluir

Adorei sua visitinha!
Aproveite e deixe seu comentário, vou adorar saber sua opinião!!!